terça-feira, 11 de abril de 2017

Pedradas PedroKA

Palhaçada tem limites
A parafernália midiática da Lava Jato já deu para as bolas. Continua como o Sargento Garcia tentando prender o Zorro. Nem os "amarelinhos" e cozinhas estão acreditando mais. Agora mais um condenado por vinte anos e que já está em liberdade, sequer cumpriu 5 horas semanais, pasmem, de serviços comunitários. Depois querem vender  a imagem de justiceiros condenado pessoas a mais de cem anos de idade. Pura pirotecnica.

Tem mais
ex-médico Roger Abdelmassih, condenado a 181 anos de cadeia pelo estupro das próprias pacientes,  passou esta semana por uma bateria de exames médicos no interior de São Paulo e acabou internado por problemas no coração. Me permitam, mas o Estado ainda ficar bancando tratamento de saúde deste pilantra e tantos outros é quem quebra a previdência. O que esperar de um cidadão condenado a 181 anos de prisão, é mais que perpétua. E, se ele resolve viver até lá para cumprir a pena? Estão brincando comigo. Alguém me empresta o nariz vermelho.

Intolerância
O mundo está em ebulição e a intolerância, falta de compreensão, desrespeito, solidariedade parece terem tomado conta de todas as ações. Os noticiários estão fartos de coisas ruins acontecendo em todos os cantos. Sei que vou mexer em uma ferida dolorida, infecta, que parece não ter cura. Acredito com todo o respeito que tenho pela categoria e pelos amigos que possuo nas corporações que a última profissão que escolheria para mim seria a de Policial Militar. Claro que sabemos que existem maus policiais, como existem maus médicos, péssimos dentistas, advogados de porta de cadeia, jornalistas corruptos, empresários do mal, políticos, aliás estes já são exceções, difícil é encontrar algum do bem. Mas quero defender os policiais do bem e que são maioria. Na hora do aperto todos querem ter um por perto ou na porta do seu estabelecimento. O que não posso concordar é com a imprensa sensacionalista e que mais parece estar a serviço do mal e das facções. Nos confrontos da policia contra traficantes, estes na maioria das vezes muito mais bem armados que a polícia, acabam sendo as vítimas. Ora bolas. Vimos recentemente a falta que a polícia faz como aconteceu no Espírito Santo. Se existe policia é porque existem marginais e vagabundos. A polícia está aí para nos proteger, mas não pode arriscar suas vidas e oferecer flores para os marginais. Absurdamente só no Rio de Janeiro mais de 50 policiais já foram assassinados neste ano. Mas isto não é notícia. Notícia são os bandidos. Dificilmente se prova que a bala perdida foi da arma de um traficante ou bandido. É a policia que é mal preparada, violenta, dizem os noticiários. Eu fico imaginando o cidadão vestir uma farda, despedir-se da família e sair de casa sem saber se volta. Sem saber que tipo de marginal e situação irá encontrar pela frente. O traficante é mais bonzinho, distribui balas e outras benesses. Culpam a ação do estado, mas quando ele age através de suas corporações, lá está a imprensa para documentar se o policial foi agressivo, se atirou primeiro. Ora bolas estou cheio de ler e ouvir que bandido bom é bandido morto. Então deixemos de ser hipócritas e vamos defender que nos defende. 

Fraude
Suposta fraude, de acordo com a investigação, ocorreu em 2011, durante a gestão de Rodrigo Rossoni (PSDB), filho do secretário Chefe da casa Civil do governo Beto Richa (PSDB). Valdir Rossoni (PSDB), à frente do município. A justiça do Paraná determinou o bloqueio e R$ 9,3 milhões em bens de suspeitos por fraude em licitação no município de Bituruna. Parece que os envolvidos fazem parte de uma "nobreza" e como são políticos conhecidos e pertencem ao PSDB, o assunto é tratado como "desvio de conduta" Com certeza haverá uma desculpa para estes desvios e ficará por isso mesmo. Mas que não deixa de ter outro nome que nós conhecemos. Ladrão é ladrão, Corno é corno, Vagabundo é vagabundo.

Verdadeiras
Aécio aceitou propina em Nova York porque não admite corrupção no Brasil!
Zé Mayer pede para ser julgado pelo TSE! 






Nenhum comentário:

Postar um comentário